quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Haver, um sujeito incompreendido

Dia desses encontrei-me com um velho amigo, Haver, conhecido por alguns como difícil de entender. Para a maioria, ele geralmente é intransitivo, às vezes direto, ás vezes indireto. Para outros, ele soa pronominal ou até transobjetivo. Ao ouvir essa última classificação, ele se encrespou, temendo ser considerado outro tipo de trans, e disse que quem o conhece bem sabe que, pelo menos ocasionalmente, ele é um substantivo masculino. Eita!

Perguntei a razão de estar irritado, e ele disse que se considera incompreendido, com o que tive que concordar. Você aí! É, você mesmo! Vai dizer que o compreende bem?

Explicou-me então que frequentemente o relegam a segundo plano, substituindo-o por outros que não o representam tão bem, e que, frequentemente, complicam o entendimento.

Respondi: “Ora, meu amigo, não tem nada haver. Ops, acabei escorregando. Vou repetir. Ora, meu amigo não tem nada A VER.”

Então ele me mostrou vários exemplos, dos quais repasso alguns.

Já reparou que o Haver está sujeito às condições do tempo? Não, não estou falando do clima, mas do tempo verbal.

Muitas vezes o Haver deveria ser considerado como algo que já não sabemos se está ali, como um PRETÉRITO IMPERFEITO, mas há quem insista em vê-lo como se estivesse PRESENTE. Observe.

“Quando o médico chegou, eu já estava esperando  três horas.”

Perceba, se ESTAVA esperando, então é pretérito imperfeito. Estava, num tempo passado (pretérito) e não sabemos se deixou de estar ou se ainda está (imperfeito). Então não pode ser HÁ três horas. Porque HÁ é presente, não pretérito. Tem que ser havia. Logo, o correto é dizer:
“Quando o médico chegou, eu já estava esperando HAVIA três horas.”

Coitada da pessoa, se ainda estiver lá neste momento, pois então está esperando HÁ muito mais que três horas.

“Por que não HAVIAM?”, talvez você questionasse. Aí tenho que concordar que o Haver é mesmo difícil de compreender. É que, nesse exemplo, ele está sendo impessoal. Ou seja, “três horas” não é sujeito, logo o verbo não tem que concordar com ele. Aliás, é muito comum quererem que o Haver concorde com alguma coisa quando isso não é possível.

Outro exemplo:

“Eu me lembro que em 1978 estava casado há nove anos.”

Não preciso explicar de novo, certo? Todo mundo já sabe que o correto é:

“Eu me lembro que em 1978 estava casado HAVIA nove anos.”

Não sei dizer se o sujeito (ou a "sujeita") ainda está casado (a), mas se está, agora em 2016, então está HÁ cerca de 47 anos (havia 9, há 47).

Uma vez flagrei uma repórter do SBT (13/06/15 – 11h50) usando esse tempo corretamente, o que mostra que nem tudo está perdido no universo televisivo. Parabéns, menina, seja lá quem for. Ela falava sobre a morte de Fernando Brandt, ocorrida na véspera, e disse:
“Fernando Brandt lutava contra um câncer de fígado HAVIA dois anos.”

Outra queixa do meu amigo é que, já não bastasse ser substituído pelo TER, agora estão a substituí-lo pelo POSSUIR. Estamos, literalmente, vivendo a época da praga do POSSUIR. Tivemos “a nível de”, “vou estar anotando”, entre outras barbaridades, e agora vem a praga do POSSUIR. Aliás, até o TER está reclamando disso.

Mas isso é assunto para outro post.

Devanir Nunes
ultima-flor-do-lacio.blogspot.com.br

5 comentários:

  1. Muito bom Deva, gostei e quero acompanhar e ler todas as suas postagens, embora não saiba, sou amante da língua portuguesa e na faculdade escolhi Português x Literatura; sou do tempo do Clássico, curso de segundo grau, lembras?; pois é saudades desse tempo, onde as carteiras escolares eram realmente para aprender.

    ResponderExcluir
  2. Prezada Unknown (eu sei quem é, mas se você não se identificou, não sou eu quem vai fazê-lo), obrigado. Lembro do Clássico sim, mas fiz Científico. Se quiser ler as postagens antigas, ficarei lisonjeado. E fique à vontade para comentar e criticar.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Obrigado, aceito sugestões sobre o que escrever.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Seus comentários são sempre bem-vindos.